Esqueci minha senha

Vice-Presidente do CNPq é o novo Presidente da IUPAB (2017-2020)

Durante o Congresso Internacional de Biofísica realizado conjuntamente com o Congresso Europeu, em Edimburgo- Escócia (16-20 de julho), o Vice-Presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico  (CNPq), Marcelo Marcos Morales, tomou posse como novo Presidente da União Internacional de Biofísica Pura e Aplicada (IUPAB). Confira no Boletim da IUAPB a Mensagem do Presidente IUPAB.News66-nº12017-040917
 
A entidade fundada em Estocolmo (1961) é membro do Conselho Internacional para a Ciência (ICSU) e já foi presidida por renomados cientistas, tal como o Premio Nobel de química, Kurt Wutrich (2002). Dentre os afiliados à IUPAB, estão órgãos nacionais de 61 países, sendo a sua função principal promover a pesquisa e ensino em biofísica, além de realizar os Congressos trienais internacionais. 
 
Morales é o mais jovem Presidente da entidade e tem como desafio modernizar a comunicação em biofísica, tornando seus conceitos, novas técnicas e novas descobertas acessíveis através de cursos a serem organizados em todo mundo e que deverão estar disponíveis no sítio eletrônico da União com acesso democrático. 
 
A integração de pesquisadores que fazem biofísica em todos mundo para melhor avanço do conhecimento também é anseio do novo Presidente. Para ele, as nações mais desenvolvidas tem grande responsabilidade no avanço e promoção da ciência e podem contribuir fortemente para que países menos privilegiados possam aprimorar a suas estruturas educacionais, científicas e tecnológicas e, dessa forma, tornar o mundo mais justos e sustentável. Para Morales, a União Internacional deve ser o principal elo de promoção do avanço do conhecimento permitindo que a ciência (no caso a Biofísica) esteja mais acessível para proporcionar o bem estar da humanidade. 
 
O próximo Congresso Mundial de Biofísica, em outubro de 2020, será realizado no Rio de Janeiro e o Brasil será o anfitrião do palco das discussões mais avançadas da área.
 
Fonte: Coordenação de Comunicação Social do CNPq